quarta-feira, 12 de agosto de 2015

O aperto do fim de tarde (Luís Adriano Correia)

Foto: Natália Freitas

E a tarde vai caindo e dela eu vou me despedindo...
Como em minha vida tudo segue sendo despedida...
É a poesia do Encontro misturada a da partida.
Vem o cheiro do capim da saudade atormentando o pensamento
Mas o alento segue sendo brisa leve, a novidade
Que sempre e sempre vem e leva o sofrimento.


Poesia que estava perdida na timeline do Facebook, postada há um ano atrás.
Escrita talvez em 12 de agosto de 2015 provavelmente em Caruaru/PE.

Nenhum comentário:

Postar um comentário